Siga-nos

Olá, o que você está buscando?

Mamãe TEAjudaMamãe TEAjuda

Fale comigo!

Aprender a delegar

Novidades sempre são assustadoras, mas dá para vencer.

Essa semana tomamos uma decisão em família, eu e meu marido iremos revezar as idas à clínica para que o Luigi não se torne tão rígido com quem sai com ele e aprenda que pode confiar tanto na mamãe quanto no papai.  

É claro que esse foi um treino e tanto para ele. E devo dizer que, mesmo querendo desregular um pouco no começo, ele conseguiu me surpreender, pois enfrentou o medo inicial e seguiu adiante. Aceitou os comandos do pai e se comportou muito bem!  

Foi um momento de alegria imensa, pois cada conquista é sempre uma vitória para ser comemorada.  

Continua após o anúncio.

Agora, não foi sobre as conquistas do Luigi que resolvi escrever hoje. Na verdade, foi para falar sobre mim. 

Desde muito nova eu estou acostumada a tomar as coisas para mim e tentar resolver sozinha. Por diversos motivos da minha vida, sempre tive a impressão de que, se eu não fizesse, que se eu não tomasse a frente, nada sairia do lugar, as coisas não se resolviam.  

Com o tempo isso se tornou um hábito constante e desagradável, já que me fez perder completamente a confiança na capacidade das outras pessoas. 

Passei a abraçar o mundo, trazendo tudo para mim e me esquecendo que, de vez em quando, é necessário delegar. 

Continua após o anúncio.

Era inevitável que isso acontecesse também com o tratamento do meu filho. Eu quero sempre estar presente, aprender tudo, fazer do meu jeito, que esqueço que não consigo encarar tudo sozinha sem enlouquecer por completo. Não é justo com meu filho e nem com o meu marido que somente eu tenha acesso aos momentos dele. 

E assim eles foram juntos, sozinhos, pela primeira vez. 

Foi fácil? Não! 

Confesso que acabei com todas as minhas unhas por uns 30 minutos e bombardeei o celular do maridão com mensagens pelo WhatsApp. Estava tensa, pensando se teria sido uma boa ideia, se eu teria pelo que me arrepender.  

Continua após o anúncio.

Cada vez que o coração disparava angustiado, eu me obrigava a lembrar que o pai dele também é responsável e totalmente capaz de cuidar do menino. Tentava me acalmar e voltava a trabalhar, manter a mente ocupada.  

Foi um treino e tanto para mim também. Depois de um tempo me dei o direito de relaxar. 

Quando eles chegaram meu coração estava transbordando de amor. Eles tinham conseguido, e eu também. Sim, agora vou começar a delegar mais e lembrar que eu não estou sozinha nessa.  

Que eu nunca estivesse sozinha, na verdade, que preciso aprender a confiar mais. 

Continua após o anúncio.

Não são apenas nossos pequenos que estão aprendendo todos os dias. Luigi me ajudou com uma lição e tanto essa semana. 

Escrito por

Mãe atípica e editora chefe do blog.

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Anúncio

Você vai gostar

Sticky Post

Conheça mais sobre o Projeto Dino, que ajuda tantas mães atípicas a encontrar uma rede de apoio.

Fale comigo!

Um menino com seu chapéu não quer guerra com ninguém

Fale comigo!

Ser mãe de uma criança pequena já não é fácil aos olhos do mercado de trabalho, quando é atípica então ele literalmente te vira...

Especialistas

Mitos sobre o uso de sistemas alternativos de comunicação

Anúncio