Siga-nos

Olá, o que você está buscando?

Mamãe TEAjuda

Projeto Dino

Cobertor

Será que realmente é orgulho? Ou o outro não conseguia acompanhar a sua interpretação da situação?

Um exemplo prático que me fez finalmente entender que nunca foi só orgulho, mas sim o autismo.

Como todo casal tivemos nossas desavenças.

Em uma noite, eu fiquei chateada e disse que ele não dormiria embrulhado no mesmo cobertor que eu. Ele então procurou um outro.

Tive a esperança que ele cedesse e me procurasse pra falar sobre a nossa discussão, para então dormimos no mesmo cobertor. Isso não aconteceu!

Eu já esperava!

Mesmo assim, fiz isso pela segunda noite, que estava mais fria, e falei novamente que ele não iria dormir no mesmo cobertor. Ele então, sem questionar, pegou outro cobertor e foi dormir.

Eu fiquei muito brava porque esperava alguma reação – qualquer reação – e ele não teve.

Então cheguei a conclusão de que ele era muito orgulhoso e não gostava de dar o braço a torcer, sem se preocupar com o que eu sentia.

Continua após o anúncio.

Indignada, perguntei a ele o motivo de ser tão orgulhoso? E ele ficou sem entender minha pergunta. E como eu percebi que ele não estava mesmo entendendo o que estava acontecendo, tentei ajudá-lo.

O esforço dele em tentar entender a situação foi muito notório e, mesmo assim, quando pedi a ele pra juntar as peças, desde a discussão até aquele momento, ele ainda assim não conseguiu juntar tudo e fazer uma análise.

Então ele me olhou e me perguntou se ele sempre foi assim, “diferente”. Eu senti uma dor no peito. Ele sofre por não entender coisas simples, que inclusive ele percebe que eram simples depois de um grande processo. Eu respondi entendendo que ele não era orgulhoso mas, sim, autista.

Dei um abraço apertado nele, entendendo a dor e processamento o que tinha acontecido, mas, muito mais do que isso, aquele abraço foi minha forma de falar que o autismo mudou muita coisa em mim e uma delas foi meu amor por ele, que só cresceu.

Sinto que finalmente ele está se entendendo e eu, finalmente, o conhecendo.

Sou a Luana, tenho 22 anos sou pedagoga e quero me especializar cada vez mais.

Escrito por

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você vai gostar

Fale comigo!

Você também se sente assim? Ver ler esse texto e veja se concorda comigo!

Especialistas

A comunicação alternativa pode ser uma excelente aliada no aprendizado das crianças. Saiba mais!

Projeto Dino

O que fazer após o diagnóstico. A Keila tem algumas dicas!