Siga-nos

Olá, o que você está buscando?

Mamãe TEAjuda

Fale comigo!

O complexo mundo neurotípico e seus preconceitos

O mundo pode ter momentos cruéis, mas temos que mudar esses cenários.

O mundo é complicado, sim, é verdade!

Como mãe atípica eu temo todos os dias pelo meu filho nesse mundo virado de ponta cabeça.

E, quando escuto sobre algum episódio envolvendo crueldade ou falta de empatia direcionada a essas crianças, dá mais medo ainda.

O autismo começou a ser debatido muito recentemente – se compararmos a outras questões da medicina que já estão em debate há muitos anos – e nem todas as informações estão amplamente difundidas.

Para muitas pessoas, sem conhecimento de fato de como funciona o espectro ou que possuem uma visão limitada de como deveria funcionar uma criança autista, nossos filhos podem ser vistos apenas como “muletas” que são usadas para conseguir benefícios.

Como é desesperador ouvir algo assim.

É triste, já que as pessoas obviamente querem levar tudo para o lado da “esperteza”, achando que essas famílias se aproveitam da condição de suas crianças. Elas não consideram o quanto sofremos, as dificuldades que passamos no dia a dia, as crises dos nossos pequenos que enfrentamos, os processos burocráticos e as lutas que vem junto com esse diagnóstico.

Infelizmente ainda encontraremos muita gente ignorante em nosso caminho. Pessoas que desconhecem, que querem continuar sem conhecer e que, por puro preconceito, preferem atacar aquilo que não entendem.

Continua após o anúncio.

Mas também existem pessoas que não conhecem e não entendem apenas porque nunca tiveram acesso a esse tipo de informação.

Então, mães e pais de crianças atípicas, os convido a espalharem o máximo de informações que puderem, para que possamos quebrar esses tabus que perturbam tanto o futuro de nossos filhos. Eu sei que o mundo muitas vezes vira as costas para a gente, mas não devemos fazer igual. Senão seremos ainda mais exilados e, nossos filhos, cada vez menos compreendidos.

Autismo: O olhar de esperança independe de ser atípico ou não

Vamos ensinar aqueles que quiserem nos ouvir, vamos divulgar amplamente os direitos de nossos filhos, vamos destruir de vez os preconceitos que existem em torno desse tema.

Não podemos nos esconder e nem nos calar! O mundo é de fato bem complicado, mas boa parte disso é culpa da falta de diálogo entre as pessoas.

No entanto, se ainda assim a pessoa insistir em ser cruel, lembre-se, existem leis que devem ser acionadas.

Há redes de apoio prontas para comprar a sua briga e lutar junto pelos direitos das nossas crianças. Há pessoas que entendem exatamente o que você sente todos os dias, gente que tem na pele as mesmas marcas que você e está disposta a segurar a sua mão.

Se para nós o mundo é complicado, imagina para os nossos filhos, que possuem ainda menos noção da maldade que pode existir em alguns seres humanos.

Vamos tentar descomplicar tudo isso por eles.

Segura a minha mão e vamos juntos! Não deixe que a crueldade das pessoas amargas torne o seu coração amargo também.

Para cada energia ruim que for direcionada ao seu filho, o encha ainda mais com amor e doçura. Deixe que ele sinta o poder do amor e que entenda que esse sentimento é maior do que a maldade.

Continua após o anúncio.

Vamos compartilhar com o mundo esse amor tão grande que recebemos de nossos pequenos, pois nós sabemos o quanto são capazes de amar.

E para aqueles que, ainda assim, resolverem se afastar e continuar presos em seus preconceitos cheios de amargor, só lamento! Não sabem o doce sabor da vida que estão perdendo. Crédito da foto em destaque: freepik – br.freepik.com

Escrito por

Mãe atípica e editora chefe do blog.

1 Comentário

1 Comentário

  1. keila couto

    29/03/2021 at 19:36

    Que lindo 💗

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você vai gostar

Fale comigo!

Você também se sente assim? Ver ler esse texto e veja se concorda comigo!

Especialistas

A comunicação alternativa pode ser uma excelente aliada no aprendizado das crianças. Saiba mais!

Projeto Dino

O que fazer após o diagnóstico. A Keila tem algumas dicas!